MENU

domingo, 19 de fevereiro de 2012

O Bem Mais Precioso


 Mt. 13:44-50
Int. A desordem que guerras e revoluções impuseram regularmente ao mundo oriental tornou necessário aos homens o enterrar de valores que não podiam seguramente carregar consigo quando forçados a fugir para salvar suas vidas. Algumas vezes, jamais voltaram para reclamar sua propriedade enterrada e a terra passou para aqueles que não tinham conhecimento do que estava enterrado nela. A Bíblia se refere a essa prática. O assassino que matou o governador caldeu de Judá poupou as vidas de dez homens para conseguir o rico armazém de mercadorias que eles declaravam ter escondido num campo (Jeremias 41:8). Era também a base de uma metáfora comum no mundo antigo. Jó falou daqueles que procuravam a morte "mais do que tesouros ocultos..." (Jó 3:21) e Salomão insta com os jovens a que busquem sabedoria "como a tesouros escondidos..." (Provérbios 2:4).
Nos tempos antigos, principalmente, as pessoas que viviam do plantio na roça, eram acostumadas a guardar seu dinheiro na sua própria casa, não em bancos como hoje. Alguns escondiam debaixo dos colchões, outros em lugares difíceis de achar, mas a grande maioria enterrava seu dinheiro em lugares que só eles sabiam, e muitas vezes morriam com este segredo...
Vejo essa parábola, como uma lição de: Renúncia, perseverança e também prosperidade.
O homem, para ficar rico, poderia apenas ter vendido o tesouro, por que não o fez? Ele não buscava só riquezas, mas também, satisfação e paz. Guardou o tesouro no campo, depois, comprou o campo. Dessa forma, o tesouro, estaria seguro. Se deixasse na guarda de terceiros, poderia ser roubado. O Tesouro, é o Reino de Deus. O campo, a nossa vida. Ao se desfazer de tudo quanto tinha para adquirir o campo, com o tesouro, o homem, estaria renunciando a velha criatura. Se desfazendo do velho, para alcançar o novo.
Ao encontrarmos O Tesouro, precisamos guardá-lo em segurança, para que outros não venham e o roubem. O que fazer? Vigiar o campo. Dia e noite, dia após dia: Leitura da Palavra, obediência, jejum oração e testemunho. Assim o campo, estará seguro. Nenhum ladrão, roubará O Tesouro. Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa. Ap. 3:11
O Tesouro e a teoria da prosperidade:
Encontrar O Tesouro, e vendê-Lo, é como buscar a Deus, apenas para receber riquezas. Ignorar o valor do campo, é como permanecer no mundo. Sem renúncia, sem transformação. Sem perseverança, sem santidade.

Existem hoje, muitos caçadores de tesouros: Buscam, encontram e vende-no. Como um negócio, que se desfará um dia. Porque, sem o campo, a riqueza não permanece.

Alguém, pode buscar a Deus, apenas pelo que Ele pode lhes dar, de valor material. porém, sem uma vida de comunhão, santidade e renúncia, não encontrará a paz. Não haverá salvação. Chegará o momento, em que "outros moradores", inimigos do Reino, lhe tomarão O Tesouro. E o Reino, estará, bem distante do negociador de "Tesouro".

A pérola sempre foi muito apreciada ao longo da história da humanidade, um exemplo disso foi o facto de no apogeu do Império Romano, quando a febre das pérolas estava no auge, Júlio César, conhecido pelas suas conquistas amorosas, ofereceu a Servília, uma pérola no valor de seis milhões de sestércios. Também o general romano Vitélio, estando cheio de dividas, roubou um brinco de pérola à sua mãe, para poder financiar o seu regresso ao exército [1].
 O negociante que sempre procurou as mais preciosas pérolas, um dia se depara uma do qual nunca tinha visto, nem imaginada que havia algo de tão grande valor.
Então vendeu tudo o que tinha e a comprou.
Assim como o homem que achou o tesouro escondido, o negociante precisou se desfazer de tudo o que possuía para adquirir seu bem mais precioso.
Conquistar o reino de Deus sem renúncia, é impossível. Não há como agradar a dois senhores, ou andemos no espirito e herdamos o reino dos céus, ou satisfazemos os desejos da carne e colhemos dos seus frutos amargos. Gl. 5:16-25
Se não somos aptos para renunciar o pecado como: avareza, adultério, também não estamos aptos para herdar o reino de Deus. Ex. O jovem rico.

Por fim a parábola da rede:
Neste dia será revelado o que durante nossa vida o que foi mais importante, se valorizamos o tesouro, se renunciamos nosso eu para afim a alcançarmos o reino de Deus.
Neste dia não vai adiantar desculpas, não vamos poder deixar para amanhã, não poderemos mais, ocultar, jogar debaixo do tapete nosso lixo moral e espiritual.

C. Que Deus nos ajude quando chegar este dia estejamos nós preparados, guardando e protegendo nosso tesouro.
Não abrindo mão daquilo que nos foi conquistado por um preço muito alto, nossa salvação.

Deus abençoe sua vida!

Pastor Luciano Silveira

Nenhum comentário:

Postar um comentário

comente aqui

PALAVRA DE VIDA